2008/07/23

À SOMBRA DO VIADUTO








O Palácio recebeu através do serviço de malaposta o texto que se publica de seguida. Obrigado à autora pela sua visita e pelo contributo.


A confeitaria Rebuçado, de há muito instalada na localidade de Botica, é uma nota muito positiva nestas redondezas, porque é uma confeitaria tradicional e com qualidade. Bom ambiente também.
Difícil, porém, era o acesso e o parqueamento. Os moradores na Fonte Santa costumavam brincar: então quando se mudam lá para o nosso bairro?Tal não aconteceu e inesperadamente e horrivelmente construíram, de raiz, um edifício para as instalações da confeitaria na pior localização possível e sequer imaginária: paredes meias com o viaduto que atravessa a estrada antiga para a Malveira e à entrada do Pinheiro de Loures!O mais curioso é que no projecto estava prevista uma esplanada que dá para o referido viaduto num troço em que os pilares que são muito pouco estéticos. Já nem falo na remota hipótese de se levar com um carro ou um tampão em cima...!
Não sou das engenharias nem dos planos urbanísticos, mas não teria permitido.É revelada uma falta de sensibilidade e de bom gosto a toda a prova. Por este andar Sintra e Cascais, Mafra e Ericeira vão continuar a ser lugares de eleição naquilo que se pode chamar "o turismo de bairro".

8 comentários:

Anónimo disse...

Sei que não vou receber nenhum prémio literário pelo texto, mas obrigada pela ajuda.

Anónimo disse...

Não me parce mal. Mas como tudo o que se faz em Loures é mau, já não me admira este post! Por acaso a dita Sr.ª sabe que a Junta de Freguesia de Alcantara está situada por debaixo da Ponte sobre o Rio Tejo há vários anos? E que para além da junta, existem lá vários prédios da habitação, resturantes, lojas, estacionamento etc... Se calhar seria melhor solicitar à Brisa a retirada do viaduto da CREL!

Anónimo disse...

Pior que isto só mesmo o Pavilhão Paz e Amizade, construido de raiz no tempo da outra senhora e que, por lapso, ou apenas por mero acaso, não cumpre os requisitos para acolher determinado tipo de competições. Por certo foi um erro mas que já não era possivel de emendar. E responsabilidades, alguémem tempos as pediu a quem de direito? Não me recordo!

Anónimo disse...

Essa história do Paz e Amizade é quase uma anedota. Os prédios da Baixa de Lisboa também não têm elevador e pasme-se, a minha casa é contemporânea do Pavilhão Paz e Amizade e não tem rede de comunicações no interior das paredes.
O Paz e Amizade foi o melhor que se pode fazer à altura e sem ele gostaria de saber onde jogaria hoje o Sporting. No momento em que foi construido era uma referência nas realizações autárquicas. Dê-me uma obra de charneira realizada no último mandato pela actual administação? O Pavilhão de Macau, aquele hino ao desperdício!? As Pisconas da Portela que vão encerrar, por pasme-se, enganaram-se nas medidas!?
Essa comparação com um passado cada vez mais distante não é boa conselheira para quem se deveria estar a preocupar com o futuro.
Vão-se curar!

a dita Srª disse...

Claro que sei do que se passa em Lisboa,mas, este blog é sobre Loures. E claro que sei que não tem cabimento questionar a importância do viaduto. Apesar de que atravessa uma zona bem bonita, polvilhada de belas quintas que ficaram, a meu ver, desfeadas com a presença do viaduto.
Quanto à localização da confeitaria, fico triste que não tenham pensado nuns troços mais à frente, na mesma estrada, que têm uma vista deslumbrante.
São sensibilidades meus caros. São custos, também.
Logo que possa, mudo-me eu para melhor, já que aqui em Loures as coisas não são pensadas para ser também bonito. Qualquer dia isola-se nesse campo, porque, por Portugal fora, não é isso que se passa. Felizmente.

Anónimo disse...

Os gostos não se discutem. O que é bonito para uns pode ser muito feio para outros. É o caso. Quanto a Lisboa o exemplo serviu apenas para lhe dizer que as coisas debaixo dos viadutos também funcionam e bem. Por ora tem um bom remédio, não vá à confeitaria.

Anónimo disse...

Gostos não se discutem e o viaduto da CREL é uma coisa linda de se ver. Acredito mesmo que valorizou a paisagem de Loures.

Ninguém se lembra que a comissão europeia chamou a atenção ao governo português por causa do impacto visual daquele mamarracho?

Anónimo disse...

Certo. Concordo consigo. 100%. Mas agora o que se pode fazer? Deixar as zonas envolventes ao viaduto sem vida, ao abandono, terra de ninguém? Ou tentar dar-lhe alguma vida, côr, movimento que minimize o mamarracho que por certo não vai sair dali tão cedo? Eu acho que é preferivel uma solução tipo a de Alcantara (daí o exemplo)do que a o que até agora se verificava no viaduto da CREL ou seja nada. Por falar nisso, este seu post já teve uma coisa importante. Abriu-me a curiosodade de ir conheçer a nova confeitaria. Ainda vou lá tomar um café um dia destes. Vai na volta tudo isto é publicidade à nova confeitaria, não?