2008/07/24

A CULPA NÃO É MINHA, NÃO VOTEI TEIXEIRA!



A CERCIPÓVOA é uma instituição que desenvolve trabalho de “educação, reabilitação e inserção do cidadão portador de deficiência. Promove projectos de sensibilização e mobilização da Sociedade, para os objectivos da Instituição e para a problemática da deficiência em geral”. O seu objectivo final e a “promoção da autonomia pessoal e social do cidadão portador de deficiência.”

Esta instituição atravessa neste momento graves problemas financeiros, decorrentes dos encargos com a melhoria de instalações, que qualifiquem o serviço prestado aos utentes, e, sendo uma actividade convencionada com a segurança social, que presta serviço independente da capacidade financeira das famílias, ajustando a participação financeiras destas às suas possibilidades, tem vindo a ver diminuída parte das suas receitas. Porque é inevitável que estas instituições sejam as primeiras a sentir a degradação das condições económicas das famílias.

Dada a importância da instituição e a relevância social dos serviços que presta, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e o Governo, encetaram contactos no sentido de se encontrar uma solução para este problema. Nesse esforço, convocaram o Presidente da Câmara Municipal de Loures. Não porque os vizinhos sejam para as ocasiões, a instituição está sedeada na Póvoa de Santa Iria, mas porque uma parte significativa dos utentes é oriunda de Loures, mormente da sua zona oriental. Assim, era avisado convocar ao esforço a Câmara Municipal de Loures.


Erro! Perante a solicitação, Carlos Teixeira, abriu a torneira do despropósito, como se pode ler da notícia do “Jornal Triângulo”. Mesmo ontem, em plena reunião de Câmara, o Presidente repetiu as mesmas declarações.

Em suma, revelou-se insensível à importância que esta instituição tem, seja para os cerca de 50 utentes de Loures, seja para as suas famílias.

Espera-se que reveja a sua posição, dedicando-lhe algum tempo de serena reflexão. Carlos Teixeira afirma que não temos culpa de que a vida esteja a correr mal a esta instituição, mas do que aquelas famílias não têm culpa é da insensatez do Presidente da Câmara.

14 comentários:

Anónimo disse...

Lá vem o eterno problema da subsidiodependência nacional! Será que estas instituições, e todas as outras, desportivas, recreativas, culturais, musicais e eu sei lá quantos ais, só existem porque nós, os contribuintes, pagamos para elas existirem? Então e os milhões de Portugueses que vivem com dificuldades e que não têm ajudas de nada nem de ninguém? Como é? Algum se preocupa com eles? Será que estas instituições não são capazes de lançar mão de algumas ideias para se auto financiarem sem terem que estar sempre à mingua do Estado ou das Autarquias? A Pereira da Mota, em Loures, recebe muitas ajudas da Câmara e da Segurança Social mas ao mesmo tempo promove um sem numero de iniciativas que lhepermite angariar verbas para fazer frente a muitos problemas. Tem que se puxar pela cabeça. A torneira do Estado está a secar, não só para as instituições mas também para os trabalhadores e para os Portugueses em geral por uma razaão simples: é que não há dinheiro. Porquê? São muitas as causas mas a principal tem sido a má governação nacional e local ao longo dos 34 anos desta democracia. E agora? Agora tem que se puxar pela cabeça e fazer das tripas coração. É o meu dia a dia e o de muitos milhões (sim milhões) de portugueses por esse país fora.

Anónimo disse...

Os mongas votam? Não votam, pois não? Os estudos de opinião mostram-os como um estrato eleitoralmente relevante? Não mostram, pois não? Então porquer raio de razão deveria o Presidente da Câmara canalizar recursos para o apoio à instituição que os acolhe.
A gestão dos recursos municipal mal chega para isentar o Super Bock Super Rock das taxas e licenças devidas ao município, quanto mais para apoiar pessoas que dificilmente estarão num comício eleitoral do PS a gritar Teixeira, Teixeira.
Cá está a resposta.

O MARQUÊS DA PRAIA E MONFORTE disse...

Caríssimo anónimo das 14:26.

A instituição subsidiodependente de que fala presta apoio a pessoas com deficiências de vária ordem e com vários graus. Estas instituições são de utilidade pública, como as IPSS’s, os Centro de Dia e outras, que substituem o estado nas suas obrigações sociais. Não são comparáveis aos clubes de futebol profissional que recebem terrenos públicos e isenções de vária ordem, ou como em Loures o Sporting, em condições muito vantajosas, “privatizou” a utilização de um equipamento pago por todos, o Paz e Amizade, ou, como referiu o comentador anterior, as isenções ao Super Bock Super Rock, que são apoio directo a uma actividade eminentemente comercial, cujos os benefícios para Loures são bastante questionáveis.
Este assunto está num plano muito diferente.

Não conheço as iniciativas da Pereira da Mota no sentido do seu auto-financiamento. Sei que é uma instituição de referência e que não seria o que é hoje sem o apoio público. Nem provavelmente teria a dimensão que tem, nem a capacidade de atracção de eventuais apoios “particulares” sem a dimensão que esse apoio também ajudou a criar.

Cumprimentos

O Marquês

Anónimo disse...

Mas porque não se arranja um lugarzinho nas CERCI's para esta rapaziada que faz comentários tão a propósito, tão sensatos e solidários. Não digo, internados, não. Não vou tão longe. Apenas a "lançar mão de algumas ideias". Pode ser que as CERCI de um lado possam acolher a deficiência e do outro a idiotice.

Anónimo disse...

Então não é que o amigo Edmundo tem um restaurante com uma "ganda pinta" ao pé do Palácio? Só possivel graças ao seu esforço e graças tb ao esforço daqueles que tornaram possivél que naquele local fosse possivel existir ma zona de restauração com qualidade. E não é que no tempo da outra senhora aquilo era o mijadouro dos drogados que frequentavam o então degradante Palácio que estava a cair aos bocados e agora aquela zona se tornou num ex libris da cidade? Parabéns àqueles, como o amigo Edmundo, que acreditam!

Anónimo disse...

E o trabalho que o PS teve para construir o Parque da Cidade! Se me oferecer uma casa, não reclamarei se tiver de construir a casa de banho.

Swt disse...

Ainda bem que voltámos aos temas sérios. Assustei-me quando vi a mensagem sobre a Soraia Chaves e temi que este útil blog nunca mais voltasse a ser o mesmo...:)

O MARQUÊS DA PRAIA E MONFORTE disse...

Caríssima

Nem só de pão vive o homem!
Não leu o texto, era bem sério.

Cumprimentos

O Marquês

Anónimo disse...

meio parque da cidade, sem casa de banho. era, digamos, um pequeno quintal abarracado!

Anónimo disse...

Sem casa de banho e sem cozinha!

Anónimo disse...

Nem você acredita no que acabou de escrever!

Swt disse...

Marquês
Eu li e até ía comentar. Mas depois achei melhor não... eheheheheh

Anónimo disse...

O marquês anda mesmo bem disposto, faz bem!

Anónimo disse...

Nunca vi um marquês tão tolerante e inteligente, comprarado com os marqueses das revistas luxes que andam por aí.