2008/10/10

"ACABE-SE COM AS ELEIÇÕES"




No passado dia 8 de Outubro de 2008, foi inaugurado o novo Centro de Saúde que era para ser de Sacavém e agora é de Sacavém e Camarate.
Pelo noticiado em alguns órgãos de comunicação social, soube que a cerimónia de inauguração decorreu com a presença dos eleitos locais, do senhor presidente da Câmara, da senhora ministra, entre outros representantes de diversas instituições.

OK.

Acontece que resolvi questionar os meus representantes na Assembleia de Freguesia, sobre o evento. Se o Centro estava bem equipado, se o edifício era funcional, se os serviços prestados tinham melhorado em relação ao antigo, se na cerimónia de inauguração se tinha abordado a questão do Atendimento Permanente, se alguém tinha dado novidades em relação ao Hospital de Loures.

Pasme-se! Os eleitos da Assembleia de Freguesia não tinham sido convidados, nem sequer informados da inauguração.
Perante a minha incredibilidade, garantiram-me que é o costume, apesar dos constantes protestos por eles apresentados.

Não posso admitir que o meu voto não conte.
É certo que, infelizmente, a força política em que votei não ganhou as eleições. Mas é também certo o meu voto e de mais uns milhares valem tanto como os que obtiveram a maioria, o PS, que pelos vistos não sabe viver em democracia e nem cumpre os princípios básicos da democracia representativa.

Isto leva-me a pensar que se dependesse deles, as eleições acabavam-se.

Perigoso….

8 comentários:

José Pedro Simões disse...

O blogueiro anónimo

“Esta gente rasteira que escreve sem se identificar só tem arte para discutir pessoas e não ideias e princípios”

" Neste mundo global, ninguém questiona as virtualidades e as vantagens dos blogues, enquanto ferramenta multifuncional que promove uma nova forma de comunicação, uma forma de expressão completamente livre. De facto, quando o blogue é usado correctamente constitui um importante instrumento de debate público, de debate pertinente e sério, prestando um bom serviço ao exercício da Democracia.

Mas o blogue que permite que a grande maioria dos bloguistas se refugie no anonimato não é sério, nem presta um relevante serviço à sociedade. Bem sei que o anonimato foi uma conquista para fugir à opinião massiva, para poder discordar sem ser identificado, evitando ser colocado à margem do grupo. Mas também sei que esta característica específica dos blogues, assente no anonimato, tem servido para proteger gente cobarde e mesquinha, que se refugia nesta forma de comunicar para vinganças pessoais, para ofender a honra e o bom-nome das pessoas que dão a cara e que não têm medo de pôr a assinatura em tudo o que fazem. Esta gente rasteira que se esconde por detrás do biombo do anonimato só tem arte e engenho pa-ra discutir pessoas e não ideias e princípios. A espiral de silêncio de que nos fala a socióloga Noelle Neumann é a fronteira que distingue a qualidade e a honestidade intelectual entre os blogues.

O blogueiro anónimo é, infelizmente, também juiz. Também este, que é o rosto visível da Justiça, de uma Justiça que se quer de cara destapada e transparente, se refugia nesta forma desprezível de comunicar, torpedeando o que lê, caluniando, sem qualquer respeito e tolerância. Talvez o Conselho Superior da Magistratura devesse estar atento a alguns blogues que acompanham as questões da Justiça e que em nada dignificam o Poder Judicial.

As ofensas anónimas estão nos antípodas da crítica construtiva, proporcional e adequada. É bom que o juiz anónimo saiba que o blogue não foge às regras do ordenamento jurídico português nem aos limites do exercício de liberdade, de manifestação e de pensamento. E é bom também que saiba que o titular do blogue é responsável, civil e criminalmente, pelos comentários injuriosos. Para cada direito criado há limites.

Quem se esconde na caverna do silêncio e da penumbra, para ter o momento de glória quando escreve sem se identificar, demonstra fraca personalidade e não tem o mínimo de respeito e de amor pelos direitos de personalidade.

Rui Rangel, Juiz Desembargador."

Artigo retirado do correio da manhã de dia 8 - 10 - 2008.

Anónimo disse...

É absolutamente verdade o acima transcrito, mas não nos esqueçamos que o povo português sempre viveu assim, lembremos a bufaria da ditadura. Por outro lado, existe receio de represálias, o Sr. Juiz que assina o artigo sabe que está protegido, o comum do cidadão é perseguido!
Este anonimato veio levantar sentimentos escondidos, corrupções ocultas, é isso que incomoda o Poder, esta liberdade do anonimato.
Tenho dito!

Anónimo disse...

Neste momento existe um poder absoluto em Portugal e quem não está com ele, está excluido da sociedade. O anonimato blogueiro talvez seja a moderna CLANDESTINIDADE.

Anónimo disse...

Os Senhores juizes tem muito trabalho por fazer acumulado nos tribunais, como ainda têm tempo de de escrever opiniões? t~em os privilégios garantidos pois é.
Em trinual a única coisa que fazem é soltar ladrões, absolver corruptos e arquivar processos que não sabem resolver.

Anónimo disse...

O anonimato, não é tão real quanto a maioria das pessoas pensam.
Facilmente hoje se identificam alguns anónimos que por aí aparecem.
Alguns se soubessem que estão identificados, não pela "escrita" mas pelo IP, já não comentavam.

Anónimo disse...

o que é o IP?

Anónimo disse...

Este Rui Rangel pos se a comentar decisoes judicias de outro colega,a proposito de um processo, ele gostava que lhe fizessem isso tambem se calhar nao achava tanta piada

Anónimo disse...

Acerca do IP consulte o site:http://www.infowester.com/internetprotocol.php