2009/11/22

"A SOMBRA DO QUE FOMOS"


O encontro com o passado é o mais exigente de todos os exercícios. Porque o passado, digerido, amaciado, burilado e comprimido pelos cilindros da memória daqueles a quem deixou marcas dolorosas, é sempre uma sombra, um pálido reflexo do presente que já foi.
“A sombra do que fomos” de Luís Sepúlveda é um desses exercícios.
O encontro de quatro antigos companheiros, “golpeados” em 1973 pela acção militar de Pinochet, para uma última operação “revolucionária” é o mote para o reencontro com um passado interrompido no momento em que este se mobilizava para um outro futuro.

3 comentários:

Anónimo disse...

http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=Contrato-com-Espirito-Santo-Saude-para-gestao-de-Loures-assinado-este-mes.rtp&article=301544&layout=10&visual=3&tm=9

Anónimo disse...

Fantastico até ja o Luis chileno tem Facebook ,verdade ohhh Marques Assinado : Jorge Fascista!

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

a sombra do passado

é a sombra do que queriamos ser

não do que fomos

a memória falha tanto no presente

como no futuro que se fez passado